Primeiro Emprego: 7 mil postos em dois anos

Publicado em: 01/3/2019

O Programa Primeiro Emprego, que visa ampliar a capacidade de inserção no mercado de trabalho de egressos do ensino técnico da Rede Estadual de Educação Profissional, chega a dois anos de contratos em vigor no Estado. Atualmente, há 4.847 jovens atuando em diversas instituições públicas pela Bahia e mais de dois mil em empresas privadas. Ao todo, são mais de sete mil contratos nesse período.

Uma das beneficiárias é Grasiele Portugal, 20 anos, que está no programa desde julho de 2017. Moradora do bairro de Plataforma, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, Grasiele estudou no Colégio Estadual Democrático Bertholdo Cirilo dos Reis, em São João do Cabrito, onde cursou o Ensino Médio Profissionalizante – Técnico em Administração, concluído em dezembro de 2016.

Quando soube da publicação do seu nome no Diário Oficial do Estado (DOE), ela agilizou a documentação para iniciar no trabalho. “Para mim foi um motivo de muita alegria, pois eu já tinha participado de várias seleções de emprego, e não havia nenhum retorno positivo. Estar trabalhando hoje na Saeb é motivo de crescimento pessoal e profissional e eu só tenho a agradecer pela oportunidade”, destacou.

A Secretaria da Administração (Saeb) está no programa desde o lançamento oficial, em dezembro de 2016, e deu oportunidade de trabalho a 312 jovens. Na Rede SAC trabalham 215 deles e 97 na própria sede da Saeb, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador. Dos que estão nos postos SAC, 51 são na capital e 37 atuam nas unidades da Região Metropolitana de Salvador (RMS). Além disso, há 114 nos postos do interior e 13 nos Pontos SAC.

O Programa Primeiro Emprego é uma ação social de combate ao desemprego dos jovens, promovido pelo Governo do Estado para inserir egressos e estudantes da Educação Profissional no mercado de trabalho, além de estimular uma maior dedicação na sala de aula, justamente por contemplar aqueles com melhores  resultados.

O jovem, após os dois anos de contrato, sairá com a experiência profissional registrada na carteira. Além disso, terá um certificado do Curso de Aperfeiçoamento Profissional, que é obrigatório a todos os beneficiários, durante a execução do contrato, de forma EaD, contendo disciplinas na área de atuação e disciplinas gerais, que somam 300 horas.

 

Fonte: Ascom/Saeb

  • Compartilhe: