SEABRA: servidor frauda sistema para beneficiar veículo irregular do filho

Publicado em: 18/12/2020

Aos PRFs, o homem confessou que acessou o sistema para emitir um CRV fraudulento com o intuito de ‘limpar’ às informações quanto a existência de multas, taxas e impostos.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) descobriu um esquema fraudulento de inserção de dados falsos em sistema público. A ação aconteceu após abordagem a uma caminhonete Hilux, no Km 408 da BR 242, em Seabra (BA).

Os policiais faziam policiamento ostensivo na rodovia e deram ordem de parada ao veículo para uma fiscalização detalhada. O carro era conduzido por um homem de 44 anos que se identificou como servidor público estadual.

Foram solicitados os documentos de porte obrigatório e o motorista não apresentou o CRLV. Após consulta aos sistemas informatizados, os policiais descobriram que a Hilux estava com o licenciamento atrasado desde o ano de 2017.

Levantou a suspeita o fato do veículo possuir um CRV recente e transferência para novo proprietário realizado em agosto/2020, inclusive o carro portava placa no modelo Mercosul.

Sabendo-se que os órgãos de trânsito só realizam a transferência de propriedade se não houver pendências quanto a existência de multas, impostos e taxas e a caminhonete apresentava débitos superiores a 5.000 reais, os policiais resolveram aprofundar a fiscalização.

Ao ser indagado, o condutor confessou a fraude. Ele admitiu ter acessado o sistema do órgão, indevidamente, e providenciou a transferência do veículo para o seu filho. Disse ainda que agiu desta maneira, pois seu ente ‘passava’ por dificuldades financeiras e estava sem condições de arcar com os débitos do veículo.

A equipe também flagrou diversas irregularidades no veículo. O carro encontrava-se com o licenciamento atrasado, estava com o sistema de iluminação irregular (LED) e utilizando película em desacordo com a lei. Diante do cenário apresentado o veículo foi removido ao pátio da PRF.

Diante da situação, a ocorrência foi encaminhada para a Delegacia de Polícia Judiciária de Seabra para as tratativas cabíveis.

Fonte: PRF-BA


  • Compartilhe: