Semiárido baiano produz vinhos de qualidade com agricultura irrigada

Publicado em: 08/8/2020

Comitiva do Governo do Estado e MDR visitou três grandes vinícolas da região 

Quem poderia imaginar que, no meio do Semiárido, produtores rurais conseguiriam produzir uvas viníferas com tanta qualidade? A agricultura irrigada na região do São Francisco não só possibilitou a produção de uvas, como também, de vinhos, que passaram a ter seus rótulos premiados, além de outros produtos. A Miolo Wine Group, a Rio Sol e a GrandValle são os três casos de sucesso que foram visitados pela comitiva técnica do Governo do Estado da Bahia, nesta sexta-feira (07).

Chefiada pelo vice-governador da Bahia, João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico, a delegação está na região desde a última quarta-feira (05) e é composta pelas secretarias estaduais da Agricultura (Seagri) e do Desenvolvimento Rural (SDR), por membros do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb), Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e Universidade do Vale do São Francisco (Univasf).

“Esta é uma região abençoada, além da aptidão agrícola, da produção de vinhos premiados, espumantes de qualidade, sucos, doces e geleias, a vocação para o enoturismo começa a chamar a atenção e atrair interesses de turistas. E não teria junção melhor que a receptividade do baiano em uma região lindíssima, onde as pessoas podem consumir produtos regionais com atributos locais. Queremos incentivar ainda mais, para que o desenvolvimento continue crescente”, destaca o vice-governador João Leão, titular da SDE.

De acordo com o secretário da SDR, Josias Gomes, o cultivo de uva na Bahia vem crescendo com uma expressiva importância, tanto do ponto de vista econômico quanto da expansão na agricultura baiana: “Temos uma diversidade de cultivos e a possibilidade de ampliar o uso da uva. Além da produção vinícola, que tem sido destaque e ganhado concursos, inclusive internacional, enxergamos a possibilidade de especializar agricultores familiares, que já produzem uvas em Casa Nova, na fabricação de sucos e vinhos através de uma cooperativa”, afirma.

“A gente fica super entusiasmado quando chega aqui no Vale do São Francisco, não só na Bahia, mas também em Pernambuco, estado com quem mantemos uma parceria. Temos uma aptidão agrícola espetacular, um recurso hídrico que nos ajuda muito, através do Rio São Francisco. O que a gente vê é essa aptidão da região com bons vinhos que tem se destacado de forma internacional, agregando mais valor à produção da nossa de uva. Visitando algumas vinícolas com nosso vice-governador, ficamos muito satisfeitos com o a qualidade e quantidade produzida por hectare”, diz Lucas Costa, secretário de Agricultura.

Miolo 

No último ano, a Miolo Wine Group, que produz 3,3 mil toneladas de uvas por ano e gera 120 empregos diretos, investiu R$ 1 milhão em melhorias na unidade baiana. Com a modificação da caldeira de óleo diesel para gás, passaram a usar uma energia mais limpa. Um novo maquinário foi adquirido para aumentar a quantidade de garrafas/dia, além da compra de máquinas agrícolas e investimento para melhorar capacidade de processamento de frutas. A Vinícola Terranova, no município baiano de Casa Nova, produz 2,5 milhões de garrafas de espumante por ano, representando 85% de toda produção de espumante do grupo.

Rio Sol 

A matéria-prima dos vinhos brasileiros da marca Rio Sol vem da Vitivinícola Santa Maria, que apostou na implantação de sua unidade no Vale de São Francisco, uma faixa de terra entre Pernambuco e Bahia. Com sol o ano inteiro e um sistema de irrigação por gotejamento, os técnicos da empresa conseguem simular o período de hibernação da planta em um tempo menor, o que permite duas safras de uvas por ano. Entre as espécies plantadas nos 120 hectares da fazenda, estão uvas como a Cabernet Sauvignon, Syrah, Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Tempranillo, além de uvas brancas como Chenin Blanc, Viognier, Arinto, Fernão Pires e Moscato Canelli. No total, são cerca de 2 milhões de garrafas por ano, entre espumantes e vinhos. A empresa possui 10 hectares de área experimental, onde novas variedades são testadas e como se adaptam à região.

GrandValle 

Instalados há 32 anos em Casa Nova, na Bahia, a GrandValle possui 700 hectares de fazenda própria e produtos diversificados. O vinho de mesa é elaborado com uva americana, disponível na versão seca e suave. Suas receitas de doces e geleias são de família e prometem o gostinho das frutas produzidas na própria fazenda. O suco de uva é 100% natural sem adição de açúcar, água ou conservantes. A pecuária é outro negócio da empresa que investe em cordeiros de corte.

Fonte: SDE


  • Compartilhe: