MUNICÍPIOS

MUQUÉM: após pagamento do piso da enfermagem, professores voltam a cobrar reajuste salarial

Publicado em: 27/10/2023

A Prefeitura de Muquém do São Francisco anunciou, nesta quinta-feira (26), o pagamento do complemento do piso salarial da enfermagem, que foi repassado somente aos servidores concursados.

O comunicado gerou polêmica entre os professores do município. Eles aguardam o cumprimento do piso salarial da categoria que, segundo a APLB, está sem reajuste há dois anos e também questionam o tratamento desigual por parte da gestão e a indiferença com relação aos profissionais da educação que esperam por uma medida semelhante a que foi anunciada para a enfermagem.

“Temos contas pra pagar e o dinheiro não está dando. São dois anos sem reajuste e as coisas aumentam todos os dias. Não abrirei mão do que é meu

“Parabéns ao Pessoal da Enfermagem, pois é um direito deles garantido por lei. Enquanto ao nosso reajuste, eu espero que seja pago muito em breve, pois não está sendo fácil trabalhar com tanto descaso. Temos contas pra pagar e o dinheiro não está dando. São dois anos sem reajuste e as coisas aumentam todos os dias. Não abrirei mão do que é meu”, desabafou uma professora.

Em nota, a gestão municipal explicou que está aguardando um posicionamento final do Ministério da Saúde e, “por questões de insegurança jurídica”, não efetuou o pagamento a todos os profissionais da enfermagem.

Essa situação reacende o debate sobre a equidade no tratamento dos servidores públicos municipais e a necessidade de garantir que todas as categorias profissionais sejam reconhecidas e valorizadas adequadamente.

A APLB diz que tem buscado o diálogo com a gestão municipal e uma solução para a demanda salarial dos professores, mas até agora as tratativas foram frustradas.

“Pra onde está indo o dinheiro da educação, o valor do Fundeb?

A coordenadora do Núcleo Sindical da APLB, Júlia Bispo, lamentou a falta de comprometimento da gestão municipal com os educadores e questionou o destino dos recursos do Fundeb que, segundo o sindicato, aumentaram substancialmente no município, passando de R$ 13 milhões em 2020 para R$ 24 milhões em 2023.

“Ficamos felizes com o cumprimento do piso da enfermagem, é direito e obrigação de toda gestão pagar. Só sinto pela falta de compromisso da atual gestão com os profissionais em educação de Muquém do São Francisco, pois são dois anos sem aumento salarial, sem cumprimento da Lei 11.738/2008”, enfatizou Júlia, interrogando com veemência: “Pra onde está indo o dinheiro da educação, o valor do Fundeb?”.

 

Foto: Divulgação


  • Compartilhe: